Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Genny

Filhos

Eu já por várias vezes o referi que a minha filha foi o que de melhor me aconteceu na minha vida. E ela também o sabe, porque já lho disse pessoalmente. A minha filha é adolescente e sempre conversei tudo com ela com as letras todas. Muitas vezes é ela que vem ter comigo para esclarecer algumas dúvidas, as quais eu tento responder como sei. Vou tentando educá-la como acho que é o melhor e alertá-la para ter os olhos bem abertos, porque hoje em dia o que há mais, são coisas fáceis ao dobrar da esquina. E todos os filhos estão sujeitos a essas coisas fáceis, que os podem prejudicar a todos os níveis.

Quando se tem um filho tentamos, de alguma forma, protegê-los das pedras que irão atravessar no caminho. Muitas delas são difíceis de ultrapassar e devemos ensinar a passar por cima delas, algumas fazem-nos cair e por vezes aprendem com esses erros e olhar em frente. Triste é quando o caminho que eles seguem está cheio de pedras que os obrigam a afundar cada vez mais. Triste é assistir a uma situação que vi na minha hora de almoço.

Estava numa loja e a colega da minha amiga estava a conversar com o filho já adulto. Não era bem a conversar, porque não posso chamar de conversa ao que ouvi.

- "Metes-me nojo! Até tenho vergonha que sejas minha mãe! És um autêntico monte de esterco. Desaparece-me da frente..."

- Da minha parte não levas mais um cêntimo, sai daqui para fora, porque estou no meu local de trabalho!..."

E a conversa  não acabou aqui.

Fiquei a saber que o rapaz é toxicodependente e foi tentar pedir mais dinheiro à mãe, que lhe dá comer e trata das coisas dele.

Como esta mãe existem milhares delas ao cimo da terra a sofrer do mesmo. Como este filho, que não soube ultrapassar esta pedra que apareceu à sua frente, existem milhares deles ao cimo da terra. E esta situação pode acontecer a qualquer um.

Tenho consciência que a minha Tesouro tem a vida dela e tem que saber ultrapassar as suas pedras.

Tenho consciência que hoje em dia as coisas não estão fáceis, e tenho que continuar a lutar para um dia não ser mais uma mãe, como esta senhora, a sofrer.

Há que ter Fé!